• Susse Magazine

Torpedo lança "Orpheo_ Nebula", álbum traz influências de noise, industrial e sludge



Fundações sujas de uma usina metalúrgica atravessada por trens de carga. O mundo apenas começou a trancar. Não há mais carro, não há mais aviões - o céu é de um azul maravilhoso - e nem um único transeunte. Um atmosfera cinematográfica apocalíptica, ou libertadora quem sabe. Momento certo para o torpedo gravar seu segundo álbum: Orpheo_ Nebula.


Construído em torno de seis textos poéticos. Inspirado por uma de suas primeiras jams balançando entre o estilo "canyon" do Dead Man rocha, drone vaporoso e experimentos alucinados. Os primeiros versos desenvolvem-se na escuta sismográfica do

mundo. Os poemas se transformaram, pouco a pouco, em uma sinfonia épica graças a uma série de jams que da estrutura do disco.


Neste abrigo antiaéreo, o grupo se isola, organiza seus equipamentos e os microfones para poder gravar em casa. Cada tomada é uma experiência de osmose. Tudo se encaixa na caixa com alegria. Então siga meses de trabalho nas gravações com os meios disponíveis. Desenvolver, soldar e polir a escultura.


Uma peça completa nascida disso, suas sete partes intercaladas com ruídos. Combinação de rock de ruído, industrial, influências dos anos 70, flerte com lodo, algumas ondas de drones, feedback em diferentes produções métodos, a psicodelia das palavras, às vezes faladas, às vezes cuspidas ou uivadas que de vez em quando se aventura a acariciar o grindcore.


As guitarras se desdobram em camadas meticulosamente esculpidas, nuvens de luz fuzz ou

riffs. Às vezes, a atmosfera voa como fantasmas fluorescentes. As linhas de baixo carregam transe, poderoso e ronronante agora felina e novamente ardente, sacudindo a estrutura das peças com um groove demoníaco. O tambor, cujo toque é sutil e poderoso, acertado intensamente na meticulosidade do andamento. Traduzindo brilhantemente as emoções de

cada momento. Pode estar falando de rock orquestral, em algum lugar na encruzilhada entre os continentes do Cisnes e Godspeed You! Imperador Negro.


Ao longo da viagem no espaço-tempo, o álbum conduz-nos, como numa dança, da imersão "The Fall" entre os anos 70 e dissonantes anos 90, aos riffs sombrios e crus de "HELL", então "Part III_ La Mort" é um gemido do abismo, um soluçar pela humanidade. Gire seu disco : "Deserto" passeio espectral após degustação de rocha espacial. Pausa "interlúdio"

em éter, antes do passeio abrasivamente industrial e claustrofóbico da "Parte V_ Interstícios" que lembra aspectos dos grandes galopes de Black Mountain ou Motorpsycho. "POEM" permite a elevação harmônica e sua divertidas jornadas de rock matemático para um outro lugar. O todo amarrado por faixas ambientais e ruído seco que às vezes leva a sonhar do Pink Floyd ao Merzbow.


https://torpedo-cyclope.bandcamp.com/