• Susse Magazine

Os riffs pesados e dissonantes de Magno Viera do Chaotic System

Músico fundou a banda que conta com diversos lançamentos em 2008 


Criado na cidade de Duque de Caxias/RJ em 2008, o Chaotic System tem como propósito fazer crust/grindcore com influências de bandas como Discharge, Disrupt, Extreme Noise Terror, Doom e Napalm Death. A banda se mantém na ativa com seu fundador, o guitarrista/vocalista Magno Vieira, desde 2008 e tudo indica que o músico não pensa em parar.  A banda que hoje é formada por Magno e Eduardo Martins (baixo/vocais, ex-Vox Mortem), lançou rencetemente o muito bem recebido full lenght "Rise", disco que trás 14 faixas entre inéditas e regravações demúsicas presentes nas primeiras demos no início da carreira do Chaotic System.

A presença e peso de Magno é logo notada em suas guitarras afiadas e forma como compoem. Dono de linhas de guitarras agressivas, Magno, coloca o Chaotic System como uma das grandes potências do metal extremo no Rio de Janeiro, mantendo um fluxo de lançamentos como nenhuma outra banda do estilo no estado. 

Conversamos com Magno Vieira sobre sua trajetória, influências musicais, backline e outras curiosidades. Confira!

Como que se deu o fundamento do Chaotic System? O que te levou a montar esse projeto?

Magno: O que me levou a fundar a banda foi que em 2008 eu já estava na vibe de fazer um som mais agressivo com uma afinação de guitarra mais pesada mas nem era pra seguir adiante. Era um projeto de uma demo e ponto final, totalmente diferente do thrash metal que fiz no Mastery nos períodos de 2002 á 2008.


Dentro do cenário do metal extremo nacional, você costuma acompanhar bandas com trabalho autoral? E sobre as estrangeiras, alguma atual que tenha lhe chamado a atenção? 

Magno: Faz muitos anos que não acompanho cena e tudo mais, mas todos nós sabemos que o cenário do metal extremo é enorme no mundo inteiro desde as bandas grandes ao underground e ainda mais com esse lance de internet e seus recursos. 

Que dica você daria a músicos brasileiros que tem medo de experimentar e inventar coisas novas em suas músicas dentro da música extrema?

Magno: Acho que toda arte musical nova diferente do “padrão” é valida e quem se prende com medo de “crítica” se limita demais. A dica ideal é cada um fazer o seu porque tem cena e espaço pra todo mundo.

Qual modelo de guitarra, cordas e amplificadores você usa? Conta pra gente a relação de amor com seu instrumento.

Magno: Tenho uma Strinberg Strato EGS267 Preta, cordas eu uso o que tiver mais em conta que não faz diferença, amplificador tenho um SG15 pequeno da

Strinberg que comprei junto com a guitarra há 12 anos atrás. Funciona perfeitamente até hoje. Óbvio que tenho um zelo e amor muito grande em manter os equipamentos em perfeitas condições. Falando em pedais, tenho um Boss MT-2 Metal Zone, Noise Reducer NR100 da Behinger e pra facilitar a vida um Chomatic Turner TU300 também da Behringer. Tudo coisa velha bem cuidada de segunda mão que só banda podre usa. Sabendo mexer nos pedais facilita demais e dá pra tirar um som legal.

Quais são as suas maiores influências musicais? Pra você qual é o maior guitarrista de todos os tempos? 

Magno: Música é universal pra mim, fica até difícil responder essa pergunta, gosto de tanta coisa musical que vai do rock, grunge, clássicos, metal aos crust/punk/grindcore/industrial e sei lá mais o que...  rsrsr Maior guitarrista de todos os tempos? Eu não sei... mas gosto do Jesse Pintado, me identifico muito com os riffs e todos os discos que ele gravou nas bandas que ele fez parte, gosto dos riffs do Max Cavalera (todas as bandas também). Sou mais dos riffs mesmo e faço “solos e dissonâncias” de curioso (hahaha) Não é evidencia nas músicas do Chaotic System, não sou aquele cara técnico que estuda música, mas gosto de aprender algumas coisas pra saber o que estou criando.


Suas linhas de guitarra apresentam técnica, velocidade e emoção. Como que se da o processo de composição delas?

Magno: É um mix enorme que vem do thrash, death metal tradicional, grindcore, industrial crust, punk, hc até as coisas mais doidas e diferente que escuto. Eduardo e eu a gente conversa demais e troca muitas demos caseiras, acontece muito também de eu está tocando o que já tem, aí vão surgindo várias ideias e coisas novas, acho que o tempo contribui muito, temos uma lista imensa de músicas, pastas de demos, tudo catalogado onde podem ser futuros EPs e Albuns. Fica até difícil escolher mas mantemos uma ordem cronológica das coisas, uma coisa ou outra a gente inclui de novo com o velho, tipo os nossos últimos lançamentos. Já estamos trabalhando no segundo disco (sem nome ainda) e tem um monte de coisas pra fazer no futuro com nossos catálogos de demos.

Como a música surgiu em sua vida?

Magno: Sempre tem um coleguinha de turma de escola ou um vizinho que tem um primo mais velho que gosta de rock, porque se fosse depender da minha família pra conhecer rock/ metal estava fodido. Na sétima série foi a descoberta do rock e um pouco de metal, no ensino médio a coisa desandou aí eu já comecei a ter banda hahahaah.


Tem algum show na história do Chaotic Sytem que você ache que foi o melhor show? Algum em especial que sempre lembrará?

Magno: Quem tem banda de crust/grindcore sabe como é difícil você relatar um ou demais shows memoráveis por que a diversão, toscaria e agressividade é sempre garantida. Acho que o Prudente Inferno 2013 em Presidente Prudente/SP e os quatros shows da nossa mini turnê de 2015 em Minas Gerais foram os mais loucos e memoráveis.


Confira o último lançamento da banda, o full lenght "Rise": https://spoti.fi/345bI2Y

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram