• Susse Magazine

Entrevista com o projeto psicodélico alemão Bones:Dreaming



O músico Mike Ludwig do grupo Screaming Bones, decidiu mergulhar em uma experiência simplesmente fascinante em seu prognóstico artístico, iniciando um processo solo realmente arrebatador em sua intenção. Sabemos que o gênero ambiente é realmente fascinante, totalmente desvinculado da música como produto e muito mais enraizado nos detalhes, na criação de uma experiência sensorial fascinante para quem entra na jornada concebida. E aqui temos a concepção de mais uma obra-prima, o álbum “A Day in the Labyrinth of a Psychedelic Mind”, lançamento do projeto Bones:Dreaming.


Assim como Screaming Bones, este projeto também é um show one-man. Mike gera as paisagens sonoras do ambiente escuro com a ajuda de um Soma Lyra 8, um Soma Ornament 8, um Soma Cosmos, um Moog Subharmonicon e vários pedais de guitarra, principalmente por Electro Harmonix e Strymon. A combinação dessas máquinas torna cada sessão única. A natureza e filosofia dos instrumentos Soma é que o artista e o instrumento formam uma espécie de simbiose. Especialmente o Lyra 8 reage ao humor do artista em uma determinada sessão e soa diferente a cada vez que é tocado. Portanto, duas sessões com a mesma configuração nunca terão o mesmo som.


Cada sessão é uma experiência para Mike, a configuração dos instrumentos é diferente a cada vez, o resultado é desconhecido, a jornada é o objetivo. Ao tocar os instrumentos, eles parecem ganhar vida, desenvolvem sons, ritmos e comportamentos próprios. Às vezes, as máquinas ficam sentadas e falam sozinhas, o resultado é o que você ouve em 'A Day in the Labyrinth of a Psychedelic Mind'. As paisagens sonoras do ambiente escuro levam o ouvinte a uma jornada no desconhecido sônico, padrões emergem, ritmos se encontram, apenas para serem perdidos novamente momentos depois em uma névoa de crepitação elétrica. O ouvinte precisa reservar algum tempo em suas agendas lotadas, limpar algum espaço de cabeça, colocar os fones de ouvido, recostar-se, fechar os olhos e aproveitar a jornada.


“A Day in the Labyrinth of a Psychedelic Mind” é uma bombinha a ser degustada em toda a sua quintessência, desde os primeiros segundos. O álbum de seis faixas será capaz de te relaxar, mas ao mesmo tempo te fazer enxergar a realidade metafísica que nos cerca.


Nesta entrevista, conversamos com o projeto Psychedelic alemão Bones:Dreaming para perguntar sobre seu novo álbum "A Day In The Labyrinth Of A Psychedelic Mind".


Por que você quis tocar esse gênero?

Acho que nunca perdi o pensamento de querer interpretar esse gênero. Eu realmente não tenho nada do gênero dark ambient na minha coleção de discos. Começar nesse gênero acabou se encaixando ao explorar novos sons. No mundo da música de hoje, não importa onde você vá, acho cada vez mais difícil encontrar algo que me fascine, que me capture. Quando comecei a gravar as coisas que faço com o projeto Screaming Bones, o que sempre gostei foi de experimentar efeitos diferentes, com sons diferentes. Encontrar essa conexão entre humano e máquina e infundir seus sentimentos em um pedaço de metal e circuitos eletrônicos, alimentados por eletricidade, sempre me catapulta em um estado de pura criação. O momento em que os alto-falantes vibram sons na sala que correspondem ao meu DNA naquele momento tem algo mágico. Enquanto eu amo fazer a psicodelia de guitarra com Screaming Bones, o projeto Bones:Dreaming abriu uma porta para uma outra dimensão para mim e eu amo continuar explorando isso.

Quem ou o que te inspira a escrever músicas?

A própria vida. Todas as manhãs dou uma longa caminhada com meu cachorro. Vivemos no campo com muita floresta maravilhosa ao nosso redor. Quando nos aventuramos um pouco mais, muitas vezes acabamos em seções que parecem sair de um conto de fadas. Eu tento expulsar os pensamentos da minha mente quando ando e absorvo o que está ao meu redor. Nesses momentos, começam a florescer na minha cabeça ideias que às vezes tenho dificuldade de levar para casa e esculpi-las com minhas máquinas. Sem música, minha vida não teria sentido...

Quais bandas mais te inspiraram?

A inspiração para todas as músicas que estou fazendo está em algum lugar entre Velvet Underground, Joy Division, Pink Floyd, Ramones, Electric Moon, Kungens Män, Massive Attack e Jesus & Mary Chain, para citar alguns. Agora, se você tivesse me perguntado sobre Screaming Bones, essa seleção teria feito sentido. Receio, não tenho nomes que me inspirem a fazer música eletrônica do jeito que faço com o projeto Bones:Dreaming.

Com quem você gostaria de se apresentar? Tipo a colaboração dos seus sonhos?

Não tenho certeza se gostaria de colaborar ao fazer música. Estou acostumado a fazer as coisas sozinho. Literalmente como me trancar em um quarto e trabalhar nas minhas gravações dia e noite até gostar do que estou ouvindo. Eu realmente não consigo imaginar trabalhar com alguém na música real. Eu acho que não seria tão bom em fazer concessões se chegasse a isso. Me perguntaram há algum tempo se eu trabalharia juntos em um projeto para adicionar letras ao som que estou fazendo... isso seria algo que eu faria, mas nada surgiu dessa ideia ainda. Veremos o que o futuro traz.

Como foi o processo de composição e gravação deste disco?

Ao trabalhar com sintetizadores modulares, existem zilhões de maneiras de conectá-los para moldar seu som. Eu geralmente começo ajustando um oscilador para uma frequência que melhor se adapte ao meu humor naquele determinado ponto. Então, um após o outro, trago outros módulos e começo a esculpir os sons que gosto. Uma vez que tenho uma configuração que parece valer a pena explorar mais, paro por um momento e me inclino para trás antes de apertar o botão de gravação para capturar as paisagens sonoras em evolução com uma mente aprimorada e audição aprimorada ;) As paisagens sonoras que você pode ouvir em 'A Day in the Labyrinth of a Psychedelic Mind' são o resultado desse processo.


Você tocou todos os instrumentos neste projeto musical?

Sim. Ambos os meus projetos são projetos solo. Eu só adiciono bateria de um computador de bateria às vezes. Fora isso, cada som é gerado e tocado por mim mesmo.

Por que você decidiu fazer um projeto solo?

Por uma série de razões, suponho. Em primeiro lugar, como mencionei, não sou muito bom em fazer concessões quando se trata de minha música. É mais uma jornada que faço por mim mesma, é uma jornada ao meu eu interior, é um processo na minha vida que me ajuda a manter a sanidade neste mundo louco em que vivemos. Em segundo lugar, moro no campo em uma pequena vila. Mesmo que algumas cidades maiores estejam a apenas uma hora de distância, eu estaria lutando para encontrar alguém com o mesmo interesse musical que mora nas proximidades. Eu tentei, acredite em mim... mas abandonei esses esforços relativamente rápido.

Quem fez a arte da capa?

Eu faço minha arte de capa com a ajuda de A.I. programas de imagem, que você tende a encontrar com mais frequência on-line hoje em dia. Eu penso em um tema que eu gostaria de ver na capa de um álbum e ter o A.I. gerar uma série de imagens das quais escolho as que mais gosto. Esses são então mesclados e aprimorados em um aplicativo de foto e desenho antes de irem para o álbum.

Você tem planos de lançar novo material em breve?

Atualmente estou trabalhando em um álbum para Bones:Dreaming e Screaming Bones. Se as coisas correrem bem, devemos ver os lançamentos até o final deste ano, início do ano que vem.


Bandcamp: https://bonesdreaming.bandcamp.com/release

Spotify: https://open.spotify.com/album/5NOJCsSs6JuzhUbdXnTcVG

Homepage: https://screamingbones.org/bones-dreaming